Membros da Comissão de Defesa Alimentar das Forças Armadas (Codeafa) reuniram-se com especialistas em nutrição da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), nesta terça-feira (24), para debaterem os resultados da pesquisa que deverá implantar a cultura de segurança dos alimentos em organizações militares. Em sua 43ª edição, a reunião visa levar às três Forças orientações sobre o tema para melhorar a alimentação e a saúde dos militares em serviço.

Ações de formação realizadas com os manipuladores de alimentos do rancho do 2º Batalhão de Polícia do Exército de Osasco (SP) foram implantadas no período de um ano. A pesquisa foi realizada pela doutoranda Laís Mariano Zanin, sob orientação da professora doutora Elke Stedefeldt, no Programa de Pós-Graduação em Nutrição da Unifesp, em parceria com o Ministério da Defesa.

Trabalhar em uma instituição como o Exército foi inusitado para Laís. Ela elogiou o empenho dos militares na obtenção dos novos hábitos. “A gente trabalha para evitar doenças transmitidas pelos alimentos, aquelas que podem levar até à morte. Dentro de uma organização militar, não podemos ter doenças infecciosas”, reforçou.

Para a orientadora Elke, melhorar a manipulação dos alimentos foi um dos bons resultados da pesquisa, assim como a expansão das práticas para a comunidade em geral. “Ouvimos relatos dos militares que estavam levando os novos hábitos para dentro de casa e isso foi uma observação importante. Descongelar um alimento de forma inadequada, não fazer higienização das mãos e dos vegetais, por exemplo, são procedimentos do dia-a-dia que, quando não realizados, podem trazer doenças graves e isto é um problema mundial”, pontuou.

A partir dos bons resultados obtidos, o Codeafa pretende, por meio de mídias interativas, realizar ações de formação e a utilização de um sistema integrado de avaliação e monitoramento da cultura de segurança dos alimentos para todas as Forças Armadas.

Segundo o presidente da Codeafa, coronel médico da Força Aérea, Evandro Lima, a alimentação é o suporte biológico da saúde e, se feita de forma saudável, melhora a qualidade do trabalho da tropa.“Estamos trabalhando para padronizar ações de segurança alimentar. Queremos que todas as Forças adotem medidas baseadas num trabalho científico e assim todos devem falar a mesma língua”, afirmou.

Participaram da reunião membros da Codeafa, o subchefe de Integração Logística, general Teixeira, o vice-chefe de Logística e Mobilização, almirante Hecht e especialistas da área de doenças infecciosas.

 

A Comissão


A nova estrutura regimental do Ministério da Defesa, aprovada pelo Decreto nº 8.978, de 1º de fevereiro de 2017, alterado pelo Decreto nº 9.259, de 29 de dezembro de 2017, prevê a Codeafa na Seção de Interoperabilidade em Subsistência e Medicina Operativa (SECISM).

Essa Seção pertence à Subchefia de Integração Logística (SUBILOG), da Chefia de Logística e Mobilização (CHELOG), do MD.

A reunião da Comissão de Defesa Alimentar das Forças Armadas (Codeafa) também trouxe a apresentação de novos integrantes das Forças Armadas com expertise em Defesa Alimentar e Segurança dos Alimentos.

 

Fonte: defesa.gov.br