Na manhã da segunda-feira (4), o ministro Raul Jungmann foi recebido pelo emir do Catar, o xeque Tamim bin Hamad Al Thani. O encontro faz parte da agenda de visitas oficiais que o ministro realiza esta semana aos países árabes, para discutir o fortalecimento da cooperação bilateral e a parceria no desenvolvimento de projetos estratégicos setoriais.

No início da reunião, Jungmann e o xeque Tamim bin Hamad Al Thani fizeram breves considerações sobre as visões estratégicas dos dois países. Em seguida, o ministro destacou as prioridades geoestratégicas do Brasil, focadas no incremento da cooperação com as nações amigas de todo o mundo. “Mais do que uma relação de compra e venda, queremos estabelecer parcerias, para que todos saiam ganhando”, disse o ministro.

Além da cooperação na área da defesa e parcerias industriais, o Brasil também irá compartilhar sua expertise em inteligência, principalmente no que se refere a sediar grandes eventos, pois o Catar será o anfitrião da Copa do Mundo de 2022.

Jungmann também foi recebido pelo primeiro-ministro, o xeque Abdullah bin Nasser bin Khalifa Al Thani Jungmann também foi recebido pelo primeiro-ministro, o xeque Abdullah bin Nasser bin Khalifa Al Thani A afinidade e as estreitas relações diplomáticas com o Brasil também foram consideradas pelo emir do Catar. “Mesmo com a distância geográfica entre nossos países, temos sentimentos que nos aproxima. Eu acredito que seja a alegria do povo” lembrou o xeque Tamim bin Hamad Al Thani.

Brasil e Catar estabeleceram relações diplomáticas em 1974. Após vinte anos de contatos meramente formais, pontilhados por visitas privadas de altas autoridades, o Catar passou a demonstrar interesse crescente em aprofundar seus vínculos com o Brasil.

Além do emir, Jungmann também foi recebido pelo primeiro-ministro, o xeque Abdullah bin Nasser bin Khalifa Al Thani, e pelo ministro da Defesa, Khalid bin Mohamed Al Attiyah. Nessas reuniões, o ministro Raul Jungmann esteve acompanhado do chefe de Assuntos Estratégicos do Ministério da Defesa, brigadeiro Alvani Adão da Silva.

Fuente: defesa.gov.br